RESUMO DE ARTIGO - Unifor MG
icone buscar
RESUMO DE ARTIGO

RESUMO DE ARTIGO

terça-feira, 20 de maio de 2008.
RESUMO DE ARTIGO
MARTINS, Eliseu; LISBOA, Lázaro Plácido. Revista Brasileira de Contabilidade: ensaio sobre cultura e diversidade contábil. Março/Abril 2005. p. 51-67. Resenha de: ALMEIDA, Leila A.; LEITE, Fany; NOMINATO, Suelen R.; OLIVEIRA, Nayara C.; REZENDE, Francyene.

Eliseu Martins é professor, contador e autor de livros, teses e artigos. Foi diretor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP), da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e do Banco Central.

Lázaro Plácido Lisboa tem pós-doutorado pela Universit of Illinois (EUA) e mestrado e doutorado em Controladoria e Contabilidade pela FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade)/USP. É professor do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP e Editor da Revista de Contabilidade & Finanças da FEA/USP.

Nesse texto, os autores apresentam as mudanças ocorridas na Contabilidade durante a história, mostrando que a mesma muda de região para região, devido à influência cultural de cada lugar. Mostra-nos, também, que a Contabilidade de hoje teve início na Itália, na Idade Média, e foi desenvolvida pelos mercadores, que queriam controlar seu patrimônio e mensurar um resultado, e se expandiu com o surgimento da imprensa, no século XV. Com a mudança de posição da igreja com relação ao juro, surgiram os banqueiros, que financiavam as empresas comerciais, precisando, para isso, saber o balanço da empresa para concessão de crédito. Tal prática passou a ser usada, também, pelos fornecedores para terem maior segurança.

Na cultura do direito romano, tudo precisa estar escrito com detalhes para servir como fonte de direito de um e obrigação de outro. Tudo passou a ser documentado para que existisse uma forma de provar o que foi dito e proposto. Foi aí que houve a exigência da escrituração contábil e da conseqüente elaboração das demonstrações contábeis em lei, especificamente para a proteção aos credores. Quando a contabilidade passou a servir como instrumento de proteção aos interesses dos credores, houve a necessidade da mesma ser mais conservadora do que era. A prudência era um conceito já utilizado, mas começou a ser muito mais necessário. Provavelmente, na cultura alemã, foi onde o Direito Romano germinou. Mas foi introduzida uma novidade: passaram a tratar como crime o fato de algum balanço possuir ativo de valor superior ao que valia ou passivo de valor inferior ao correspondente à soma de todos os direitos e obrigações da empresa.    

Já no Direito Consuetudinário, os julgamentos devem sempre considerar a força e a interpretação do que a consciência popular considera como o mais correto. É interessante notar que os “Princípios Contábeis Geralmente Aceitos” nasceram no mundo anglo-saxônico. Nessa cultura, a contabilidade continuou servindo, primeiramente, à gestação da empresa e, depois, como proteção aos credores, numa ordem diferente da dos latinos e germânicos.

Com a chegada das grandes sociedades anônimas, passou a ser necessário muito capital para a formação das grandes empresas. No mundo germânico e latino, o desenvolvimento do mercado de capitais se deu com crescimento bancário, prestando serviço aos empresários que necessitavam dos recursos de capital. Contudo, reforçou a idéia da contabilidade ser feita por empresas com o fito de proteger os credores, que não tinham grandes preocupações com balanços. Com todas essas mudanças, nasceu o auditor profissional, que analisa as demonstrações contábeis das empresas.

Com a chegada dos tributos sobre o lucro, algo de diferente aconteceu nos mundos em discussão. No mundo germânico, houve a criação do princípio da Unicidade Contábil: a contabilidade tem, nessa visão, que ser única para fins de proteção aos credores e para fins de tributação. Portanto, no mundo germânico, a tributação é sobre o lucro contábil e todas as regras fiscais praticamente têm que ser seguidas pela contabilidade. No mundo latino, a idéia de uma só contabilidade prevaleceu, mas o estado acabou sendo mais forte do que os empresários e resultou numa inversão: a contabilidade é para atender ao fisco e aos credores. No mundo anglo-saxônico, a situação foi, de início, bastante diferente. Introduziu-se, também, o tributo sobre o lucro, mas com possibilidade de separação. Com isso, passou-se a ter três mundos contábeis: o latino, privilegiando o fisco; o germânico, privilegiando o credor; e o anglo-saxônico, privilegiando o investidor não controlador. Com visão totalmente rápida e sumária de uma parte da história, olhada por quem procura ligar cultura e contabilidade, é possível ver-se o porquê de tantas diferenças no âmbito das Demonstrações Contábeis no mundo.

No Brasil, a lei das S/A diz que a contabilidade tributária deve ser totalmente separada quando esta não obedecer aos princípios contábeis. A contabilidade deve ser feita para atender aos usuários externos, investidores e credores, nessa ordem, e não somente ao fisco. Por isso, foi criado o LALUR. O fisco não vê com “bons olhos” ser dono de um registro secundário, portanto, permite o uso do LALUR para efetuar as adições e exclusões permitidas por ele. A lei das S/A diz que se tem que obedecer aos princípios contábeis, porém, o fisco insiste em dar regras na contabilização, sob penas de punição, multas, etc. Essas diferentes contabilidades atravancam e encarecem os grandes movimentos migratórios de capital, dificultando o comércio mundial. Os países tentam converter a uma única contabilidade a que acreditam ser “a verdade contábil”. Os EEUU procuram exercer a hegemonia, mas o resto do mundo, principalmente os europeus, sempre resistiu a isso.

Finalizando, o objetivo principal foi mostrar que sempre existiu forte influência da cultura de um país em sua contabilidade, mostrar que há um movimento recente, e muito forte, procurando reduzir essa disparidade, principalmente porque está “doendo nos bolsos” de muitos interessados que precisam de uma harmonização forte, a fim de se reduzir riscos nas decisões.

O artigo não foi publicado na íntegra.

fique por dentro

PRORROGADO O PRAZO PARA INSCRIÇÕES DO PIBID (CADASTRO DE RESERVA)
26 de janeiro de 2023

PRORROGADO O PRAZO PARA INSCRIÇÕES DO PIBID (CADASTRO DE RESERVA)

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA COM MATRÍCULA GRATUITA
25 de janeiro de 2023

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA COM MATRÍCULA GRATUITA

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA OBTENÇÃO DE NOVO TÍTULO COM MATRÍCULA GRATUITA
25 de janeiro de 2023

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA OBTENÇÃO DE NOVO TÍTULO COM MATRÍCULA GRATUITA

Skip to content