logo

0800 283 0494

facebookyoutubetwitterinstagran

VESTIBULAR 2021

USE SUA NOTA DO ENEM

CLIQUE E INSCREVA-SE 

historia

O empresário Assu Moujan, da empresa Assu Moujan trilobites, fez uma expressiva doação ao acervo do Laboratório de Mineralogia DO UNIFOR-MG. Segundo o curador do acervo, Prof. Anísio Rios Fonseca, trata-se de um fóssil de trilobita da espécie Phacops redops, do devoniano, com cerca de quatrocentos milhões de anos, em perfeito estado, onde se pode observar até as estruturas que compõem os olhos. A região de coleta foi a de Issimour - Marrocos. Segundo o responsável pelo laboratório, o empresário disse que enviará mais um fóssil para o acervo.

Após retiradas as rochas contendo fósseis no deserto, o profissional retira habilidosamente todos os fragmentos de rocha que envolvem o fóssil, utilizando um motorzinho com uma broca de baixa dureza. É um trabalho que exige habilidade e paciência, explicou o Prof. Anísio Fonseca.

Os trilobites, parentes afastados dos crustáceos atuais, foram os principais representantes dos artrópodes (grupo a que também pertencem, por exemplo, os caranguejos e os insetos) nos mares do Paleozóico (entre 540 e 250 milhões de anos). Dominaram todos os ambientes marinhos e eram de tal modo abundantes que esse período de tempo geológico também é denominado como “Era dos Trilobites”.

Ainda segundo o curador do acervo, esses organismos surgiram da chamada “Explosão Câmbrica” e que correspondeu a uma enorme diversificação evolutiva dos animais, em que surgiu a maioria dos filos atuais e outros extintos. Houve uma ampla distribuição geográfica e uma pequena repartição estratigráfica, isto é, cada espécie teve um período de vida relativamente curto, sendo, por isso, considerados bons fósseis índices, uma vez que permitem datar as rochas onde se encontram.

Atingiram o seu apogeu durante o Ordoviciano (500 a 435 milhões de anos), quando terão existido 63 famílias agrupadas em oito ordens, em progressivo declínio que culminou com o seu desaparecimento no final do Permiano (280 a 230 milhões de anos), altura em que ocorreu uma extinção em massa, a maior da história da vida na Terra, em que terão desaparecido cerca de 90 por cento das espécies marinhas e terrestres.

Segundo o Prof. Anísio Fonseca, a doação recebida vem enriquecer ainda mais o acervo paleontológico, destinado ao curso de Ciências Biológicas, principalmente, além de ser um atrativo a mais para os visitantes.

 

doação fóssil 5

doação fóssil 1

 

AVISE-ME. Receba informações sobre o Vestibular UNIFOR-MG
Autorizo receber newsletter do UNIFOR-MG.